shutterstock_110822132

Deu corte químico! E agora?!

junho 29, 2016 Por: M. Karrari - Nenhum Comentário

No post de hoje falaremos sobre um assunto triste: corte químico. Para quem não sabe, o corte químico é a ruptura da fibra capilar, geralmente ocasionada pela aplicação de químicas em cabelos sensibilizados ou já processados por outra química incompatível com a atual. O resultado pode ocorrer imediatamente ou dias depois, durante a lavagem.

O cabelo é formado por diversos componentes, principalmente por queratina. E o corte químico nada mais é que a desestruturação destes componentes. Em alguns casos, certas químicas – como descolorações e alisamentos – podem modificar ou remover os componentes do cabelo até a fibra ficar fragilizada o suficiente a ponto de partir. Mas não é de qualquer forma, ou sempre, que o corte químico irá acontecer. Algumas situações específicas podem desencadeá-lo, como:

1) Aplicação de química em cabelos já fragilizados por outros processos químicos;
2) Aplicação de química incompatível sobre outra aplicada anteriormente (exemplo: amônia e hidróxido de sódio);
3) Exceder o tempo de pausa da química;
4) Erro na escolha da força do alisante – mais forte que o necessário para o cabelo.

Mas a notícia boa em meio a tantos fatos tristes é que, sim, esse vilão chamado corte químico pode ser contido. Como primeiro passo, indicamos a Algoterapia. Dentre os inúmeros benefícios, a utilização das algas marinhas nos cabelos proporciona a profunda reconstrução da fibra capilar, repondo componentes essenciais graças a riqueza proteica das algas. Para resultados realmente eficazes, principalmente em situações de corte químico, a Algoterapia deve ser realizada por um profissional que indicará quando você irá retornar ao salão e o que fazer para continuar fortalecendo os seus fios até a próxima sessão. A Algoterapia pode ser realizada com algas in natura, trituradas ou líquidas, junto aos seguintes produtos: peeling, shampoo, condicionador, máscara e leave-in da linha Modèle Mais Algas Marinhas.
Indicamos também a aplicação de produtos ricos em vitaminas, a fim de potencializar a reposição de nutrientes. O Multi Protect Fiber e a Vital Proteine da M.Karrari, ambos abundantemente enriquecidos com diversas proteínas, queratina e D-Pantenol, foram desenvolvidos especialmente para cabelos danificados, e quando usados constantemente, podem acabar com o efeito elástico e com o corte químico. É ideal utilizá-los entre as sessões de Algoterapia, de acordo com a indicação do seu cabeleireiro.

Lembre-se: durante o processo de recuperação do cabelo é importante deixar a chapinha, o babyliss e até mesmo o secador de lado. A alta temperatura pode desidratar ainda mais os fios, tornando-os altamente ressecados e frágeis – o que você não quer de forma alguma, muito menos em uma situação de corte químico.
E para finalizar o post, preste atenção e guarde estas palavras: se aconteceu o corte químico, é porque não houve teste de mecha. Exija, em qualquer situação, o seu teste. Não se apresse e nem permita que o seu cabeleireiro seja apressado. O teste de mecha é essencial para não ter de lidar com um cabelo todo partido depois. Além disto, procure sempre profissionais de referência e da sua confiança. Eles saberão o que fazer para contornar o problema.